Pérola Negra vai contar a história da Vila Madalena por meio da dança
- Notícias - O melhor do bairro de Vila Madalena, São Paulo, SP

sábado, 16 de janeiro de 2016
      

Pérola Negra vai contar a história da Vila Madalena por meio da dança

Escola da Zona Oeste abre o carnaval de SP no dia 5 de fevereiro de 2016.
Enredo fala sobre a ocupação do bairro por estudantes e bares.

A escola de samba Pérola Negra vai contar a história do bairro da Vila Madalena por meio da dança no desfile de Carnaval de 2016 com o  enredo "Do Canindé ao samba no pé. A Vila Madalena nos passos do balé".

Pérola Negra volta à elite do carnaval paulistano após conseguir o acesso no desfile do Grupo Especial em 2015. Ela será a primeira escola a desfilar no sambódromo do Anhembi, dia 5 de fevereiro de 2016. O horário do desfile está previsto para as 23h15.

O carnavalesco Fábio Borges contou ao SPTV detalhes do enredo sobre o bairro boêmio da Zona Oeste de São Paulo. "É a história da Vila Madalena contada através da dança. Começamos da dança na natureza, lembrando que onde hoje fica a Vila Madalena era a Mata Atlântica. Teremos a dança das águas, das aves e animais."

Borges explica que o primeiro casal fantasiado de aves vai mostrar a dança como processo de sedução no reino animal.

 

A bateria vao resgatar a cultura indígena. A ala das baianas terão fantasias leves com saias de  tule decorada com borboletas. "Vão simbolizar a dança na natureza", explica Borges.

Letra do samba
O samba-enredo da Pérola Negrax foi composto por Jairo Roizen, Celsinho Mody, Guga Mercadante, Nando do Cavaco, Marcelo Zola, Sidney Arruda, Filosofia Diley e Xandinho Nocera.

'Do Canindé ao samba no pé. A Vila Madalena nos passos do balé'

É na ginga da dança... que eu vou
Solta o corpo e balança... amor
Vem ver como é que é, samba na ponta do pé
Pérola Negra vem nos passos do balé                  
É carnaval, a minha vila contagia
A joia rara te convida pra dançar
O som da mata ecoou em sinfonia
A revoada cortando o ar
Das águas, o bailar da sutileza
Celebrando a natureza
O índio cantou e dançou a noite inteira
Da fé rituais em louvor, ôô
Com cheiro de mato, o som da viola embalou
Negro firma o batuque na palma da mão
Vem no toque de Angola, levanta a poeira do chão
Fazendo festa pro seu rei coroar
"Semba" ioiô, samba iaiá!
E sanfoneiro puxa o fole bem ligeiro
Pra folia começar
Bate zabumba e pandeiro
Tem quadrilha no arraiá
Nas ruas o povo espalha alegria
A boemia encontra o seu "santo lar"
De portas abertas a cultura
Ritmando a mistura da arte popular
Olé, olé, olé, olá,
Faz mais um eu quero ver a galera delirar
E nesse embalo lá vou eu
Na Vila Madalena samba até quem já morreu.

Fonte: Globo.com G1