Nada de G-6: Argel quer Vitória focado na luta contra o rebaixamento
- Notícias - O melhor do bairro de São Cristóvão, Salvador, BA

quarta-feira, 05 de outubro de 2016
      

Nada de G-6: Argel quer Vitória focado na luta contra o rebaixamento

Nada de G-6: Argel quer Vitória focado na luta contra o rebaixamento

Na tentativa de se afastar do Z-4, Leão enfrenta o Grêmio, na noite desta quarta-feira, na Arena Fonte Nova, pela 29ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro

 

Vitória; Fonte Nova; Argel; Fernando Miguel (Foto: Francisco Galvão/EC Vitória/Divulgação)

Com a mudança nas regras para a classificação para a Libertadores e o consequente aumento de G-4 para G-6 no Campeonato Brasileiro, o tema não tem sido outro nos principais clubes do Brasil. Com o Vitória não poderia ser diferente. Na 13ª colocação da Série A, o Rubro-Negro tem sete pontos a menos que o Atlético-PR, sexto colocado. Mas, dentro do clube, o pensamento não tem chegado nem perto da competição continental.

Depois do treinamento desta terça-feira, último na preparação para o jogo contra o Grêmio, nesta quarta-feira, na Arena Fonte Nova, o técnico Argel Fucks disse que o time não tem mirado a Libertadores. O treinador voltou a repetir a meta de conquistar mais três triunfos nas dez rodadas restantes para se livrar do fantasma do rebaixamento.

- Libertadores sempre é a galinha dos ovos. A Champions da América do Sul. Para gente, nesse momento, nem passa pela nossa cabeça. Nossa briga nesse momento é pela permanência. Agora, claro que daqui a pouco vai tornar o campeonato mais difícil. É o único campeonato do mundo em que começa e dez clubes podem ser campeões. Nove vão brigar contra o rebaixamento. O próprio Vitória já foi vice-campeão brasileiro. Então, a gente sabe a dificuldade que é o Campeonato Brasileiro. Nesse momento, a gente pensa na permanência. Fundamental fazer o dever de casa. Vai ficar mais competitivo. Nós estamos com o pezinho bem na terra, porque nosso objetivo é a permanência na Série A. Estamos com 35 pontos, faltam dez. Faltam 30 para jogar. Quanto antes a gente conseguir a pontuação, melhor. Nesse momento a gente não está tranquilo. Nesse momento, a faca está aqui. Estamos jogando com a faca no pescoço. A gente sabe disso e está tratando de jogar cada jogo como se fosse uma final - comentou.

Confira abaixo outros temas abordados na entrevista do treinador

EVOLUÇÃO DO TIME

- Resultado é do jogador. Treinador sempre é coadjuvante. Atitude mudou porque os jogadores mudaram. A gente apenas deu função aos jogadores. Deu liberdade, cobrou responsabilidade. Acho que nossa equipe ainda precisa evoluir muito. Precisamos melhorar individualmente, coletivamente. Campeonato muito difícil, competitivo. Cada jogo é uma decisão. Grandes culpados do bom momento são os jogadores, que assimilaram rapidamente a nossa forma de trabalhar, e isso é importante. Cada um sabe a sua função. É uma equipe organizada. Precisamos evoluir e estamos evoluindo, na parte tática, técnica, coletiva, e aí o individual vai aparecer.

CONVERSA COM LÍDERES DO GRUPO

- Não posso falar. Bate-papo particular, mas é nossa forma de trabalhar. Sempre trabalhei dessa forma em todas as equipes. Mais importante é não falar muito e trabalhar bastante. Jogadores têm trabalhado, se concentrado, seguido à risca, para jogar nessa intensidade, nessa entrega. Cada jogo é uma decisão. A gente ainda busca uma situação tranquila. Precisamos de 44, 45 pontos, mais ou menos isso, que nos vai dar uma garantia de permanência. Temos que pensar em cada jogo como o mais importante.

APOIO DA TORCIDA

- Precisamos do torcedor. Essa é a grande verdade. Todo mundo. Momento de abraçar o clube, de dar um voto de confiança. Temos um jogo duríssimo, uma equipe de muita qualidade, que está brigando pela Libertadores. Uma equipe que está mais competitiva, mudou seu treinador, é uma equipe mais aguerrida agora, mais parecida com seu treinador, copeira. A gente sabe da dificuldade. Precisamos que o torcedor venha preparado para um jogo duro, que tenha paciência, que seja o 12º jogador, nos dê paciência, motivando os jogadores, porque nós temos um clássico do futebol brasileiro. A gente sabe da importância que é. Cada jogo é uma decisão. Importante torcedor vim, abraçar a equipe, estádio com capacidade fantasia, moderna, um estádio que traz um retrospecto positivo, e isso é importante dentro da partida. Agora precisamos do torcedor nesse momento, para que possa criar o clima, ter a interatividade com a torcida para fazer valer o fator casa.

JOGO NA FONTE

- Minha função é trabalhar a equipe. Isso aí é parte administrativa. Sou funcionário do clube, tenho que me preocupar com outras coisas. Onde a diretoria decidir, a gente vai trabalhar.

MOTIVAÇÃO DO ELENCO

- Futebol não é só motivação. Senão os clubes contratavam um motivador, o cara vinha, dava uma palestra e estava tudo certo. Futebol é trabalho, é dar confiança ao jogador, mas você precisa trabalhar. Não adianta só motivar. Motivação dura um jogo. A gente precisa trabalhar. Tiago Real é um jogador que a gente conhece bastante, a gente lançou ele no Joinville, eu conheço ele da base do Coritiba. Jogador que era lateral-direito, eu que coloque ele na meia e foi vendido para o Palmeiras. É a oportunidade do Tiago Real. Isso vale e vale para todos. Aqui não tem cadeira cativa. Quem tiver bem vai jogar. Tiago fez uma boa partida, ajudou, foi importante. Mais uma oportunidade para ele, de fazer uma boa partida, para que possa manter o lugar dele na equipe, até porque precisamos de todos. Amanhã o coletivo precisa estar muito forte para que a gente possa ir em busca da vitória.

 

Fonte: http://globoesporte.globo.com/ba/futebol/times/vitoria/noticia/2016/10/nada-de-g-6-argel-quer-vitoria-focado-na-luta-contra-o-rebaixamento.html