O Melhor do Bairro de Santa Teresinha, São Paulo, SP

Comentários
Amanda Ortega
Santa Teresinha, São Paulo/SP
  • Amanda Ortega
     

    A consultora tem um ótimo conhecimento sobre marketing!



    • Amanda Ortega
       

      Obrigada!

  • Dicas do Bairro Cadastrar
  • Taro Cigano
    andrea

    Trabalho sério.... No qual ajuda a você encontrar um caminho..... Muito bom

  • EQUIPE NOVA ERA
    Izilda Macedo

    Uma equipe voltada ao bom serviço, com alto indice de satisfação, seu cindutores são pessoas voltadas ao bem estar e segurança das crianças, sem cotnar com o carinho e dedicação aplicada dia após dia.

  • Mudanças no processo de compra

    Olá! Vamos falar então nesta aula sobre mudanças no processo de compra. É uma base que a gente precisa entender antes de saber por que o Inbound Marketing casa tão bem com a nossa realidade. 

    Muita gente pergunta qual é o futuro das empresas. O que vai acontecer com o Facebook? Vai continuar poderoso? Vai morrer igual ao Orkut? Vai surgir uma rede social nova? O Google vai continuar sendo o líder?

    São várias perguntas pertinentes, relevantes. Mas no fim das contas, muito difíceis de responder, é difícil a gente conseguir prever o futuro com tanta precisão. Mas eu gosto muito de uma linha que o Jeff Bezos, CEO e empreendedor da Amazon, usa que é “Eu sei como o futuro não vai ser em vários aspectos, eu sei o que não vai mudar”.  E é isso que a gente pode usar como pano de fundo para trabalhar essa questão do Inbound Marketing.

    A gente vê que cada vez mais a comunicação converge para a web. A gente tem os filmes e o consumo de vídeos indo para a web, a gente tem as músicas indo para a web, a gente tem as fotos indo para a web. Mesmo as relações pessoais estão cada vez mais na web, com as redes sociais, com os aplicativos de troca de mensagem e por aí vai.

    E nesse contexto de web, muita coisa muda na relação das marcas com o consumidor. A gente sabe que a gente não vai voltar a uma era de pouco acesso à informação, então as pessoas vão continuar tendo acesso a cada vez mais informação gratuita, de qualidade. A gente não vai voltar para uma era de poucos donos da audiência atuando como intermediários entre as marcas e o público delas, como a gente tinha lá atrás com os grandes veículos de mídia. E a gente sabe que não vai voltar a um período em que as interrupções dominavam, eram constantes e as pessoas aceitavam isso super bem. A gente tolera cada vez menos a interrupção, a gente quer ser dono do nosso tempo, daquilo que a gente vai escolher.