O Prof. Ricardo Cano é Mestre em Letras pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e estará sempre nos trazendo, com exclusividade, uma nova dica/reflexão sobre a língua portuguesa.

 

Clique aqui e mande sua mensagem ou dúvida para o Prof. Ricardo Cano.

 

Artigo / Dica mais recente

O SEGREDO DA CRASE


O grande segredo da crase é que não há segredo algum. O uso da crase na língua portuguesa pode ser simples e intuitivo. Para isso, basta esclarecer o seguinte:

1. A crase consiste na contração da preposição "a" (= para) com o artigo feminino "a" =====> a + a = à.
2. A crase só pode ocorrer antes de um substantivo feminino (plural ou singular).

Vejamos os seguintes exemplos:

- Eu fui a São Paulo ontem (= Eu fui para São Paulo ontem) ===> sem crase, pois não há artigo feminino após a preposição a (=para).
- Eu fui à Europa no ano passado (= Eu fui para a Europa no ano passado) ===> a (para) + a = à.
- O médico entregou o resultado à paciente (= O médico entregou o resultado para a paciente) ===> a (para) + a = à.
- A professora deu um prêmio às meninas (= A professora deu um prêmio para as meninas) ===> a (para) + as = às.
- Ele vai sempre ao Japão (= Ele vai sempre para o Japão) ===> sem crase, pois o artigo é masculino ===> a (para) + o = ao.

A explicação acima cobre a grande maioria das ocorrências da crase, mas algumas expressões podem causar dificuldade:

- Às vezes (= de vez em quando) me sinto confuso.
- Às terças (= toda terça-feira) vou ao mercado; aos sábados fico em casa.
- Eu me sinto à vontade (= confortável) na casa da minha sogra.
- Você comprou a televisão à vista ou a prazo.
à vista = pagamento em dinheiro ou em uma única parcela.
a vista = o olho, a visão.
- O curso começa às 9 horas. Ao meio-dia há um intervalo para o almoço. ==> responde à pergunta "A que horas?".
a + as 9 horas = às 9 horas // a + o meio-dia = ao meio-dia.
- Ele saiu à francesa (= à moda francesa).
- Ela deu dinheiro àquele coitado ===> a (=para) + aquele = àquele.

Espero que, a partir de agora, você se sinta à vontade no "reino" da crase :-)

 

 

Artigos / Dicas anteriores

 

- Lançamento - O português é difícil?

- Me explique ou Explique-me ?

- Confusões com TU e VOCÊ

 

 Voltar ao topo

 

 

 

 

O português é difícil ?

 

A língua que a gente fala não pode ser difícil, pois é com ela que aprendemos a pensar, amar e entender o mundo que nos rodeia.

Você se lembra de alguma vez não ter conseguido se fazer entender com a sua mãe, irmão ou colega de escola? Dificilmente, pois você é um falante fluente da língua portuguesa.

O problema é que não existe apenas uma única língua portuguesa. O nossa língua é composta por diversas variantes que se distinguem por sotaques, palavras e usos diferentes dos elementos que compõe a língua portuguesa.

O mais importante, por enquanto, é reconhecer que a variante do português que usamos em casa e com os amigos não é necessariamente a que usamos no trabalho ou na escola. Nenhuma variante é mais certa ou errada. As variantes podem ser mais ou menos apropriadas. Por exemplo, como seria mais apropriado comprar peixe no mercado?

(a) Prezado senhor peixeiro, por favor, dê-me quinhentos gramas de sardinhas sem entranhas.

(b) Amigo, por favor, me dá meio quilo de sardinha sem barrigada.

Percebeu? Temos que ser poliglotas dentro da nossa própria língua. Para isso, precisamos aprender as outras variantes da língua, principalmente a chamada padrão, que é a utilizada no meio profissional e acadêmico. Nas próximas semanas, iremos discutir mais esse assunto. Não perca !

Voltar

 

 

 

 

 

Me explique ou Explique-me ?

Você já teve dúvida sobre como usar um pronome oblíquo átono? São os famosos “me, te, se, o, a, lhe, nos, vos, os, as, lhes “ que nunca sabemos se colocamos antes (próclise), depois (ênclise) ou no meio do verbo (mesóclise).
Essa dúvida é bastante comum porque o uso do pronome átono na língua falada no Brasil é diferente do padrão sugerido pela gramática, que normalmente segue o padrão lusitano.
Observe os exemplos abaixo:
(a) Queixei-me com o gerente.
(b) Me queixei com o gerente.

PRÓCLISE
No português do Brasil, a tendência é sempre optar pela “próclise”, isto é, pela colocação do pronome antes do verbo, como no exemplo “b” acima.
A próclise soa mais natural aos nossos ouvidos e está cada vez mais presente na criação de textos. Somente uma dica: na língua escrita formal (relatórios, e-mails profissionais, etc.), nunca inicie um período com um pronome oblíquo átono. Exemplos:
Certo: A reunião está marcada para a próxima quarta-feira. Encaminhe-nos o seu parecer até terça-feira.
Errado: A reunião está marcada para a próxima quarta-feira. Nos encaminhe o seu parecer até terça-feira.

MESÓCLISE
Quando o verbo está no futuro, o pronome átono deve ser colocado no meio do verbo. É o que a gramática chama de “mesóclise”. Exemplo:
Enviar-lhes-ei um relatório imediatamente.
Nesses casos, para evitar o cheiro de naftalina , é melhor modificar a posição do verbo. Exemplo:
(a)Um relatório será enviado a vocês (aos senhores) imediatamente.
(b)Eu lhes enviarei um relatório imediatamente.

Atenção: se você estiver preparando um documento acadêmico (monografia, dissertação etc.), não deixe de consultar uma gramática para mais detalhes sobre esta questão.

Voltar

 

 

 

 

 

 

Confusões com TU e VOCÊ

No Brasil ocorreu uma situação muito curiosa com a 2ª pessoa do singular e do plural: os pronomes “tu” e “vós” praticamente desapareceram da língua, sendo substituídos por “você” e “vocês”. O problema que surge com esse fato é a confusão no uso dos pronomes possessivos e na conjugação verbal. A seguir analisaremos algumas dessas “confusões” gramaticais que ocorrem no dia-a-dia :

a) “Seu” ou “Teu”
Devemos tomar cuidado para não misturar “você” com “teu/tua”. Os pronomes possessivos corretos para “você” são “seu/sua”. Logo, devemos ter cuidado com construções como a seguinte:
- O teu gato é muito esperto. Você teve sorte na escolha do filhote.
O certo seria “o seu gato” para concordar com “você”.

b) “Gosta” ou “Gostas”
Cuidado para não usar a conjugação de “você” com o pronome “tu”.
- Tu gosta de pastel?
O correto seria “tu gostas” ou “você gosta”.

c) “Deixe” ou “Deixa”
Confundimos muito o imperativo do “tu” e do “você”. Veja os exemplos abaixo:
- Tu : abre, fala, deixa, come, escreve, começa, encerra etc.
Exemplo: Por favor, deixa o livro na estante.
- Você : abra, fale, deixe,coma, escreva, comece, encerre etc.
Exemplo: Por favor, deixe o livre na estante.

Se você seguir essas dicas, você certamente se comunicará melhor no português do Brasil. Se você ainda tiver alguma dúvida sobre este assunto, não deixe de nos contatar.

 Voltar