Notícias em O melhor do bairro de Caçador, Caçador, SC

sexta-feira, 01 de março de 2019

Seis frigoríficos de SC são habilitados a exportar carne para a Coreia do Sul

(Foto: )

Seis frigoríficos catarinenses foram habilitados a exportar para a Coreia do Sul, um dos mercados mais exigentes do mundo.

O anúncio foi feito quinta-feira pela Agência de Quarentena Animal e Vegetal do país. Com essa decisão, SC passa a ter 15 habilitados de carne suína ou de ave. Os seis habilitados agora são Satiare, Pamplona, Frigorífico Catarinense, Seara e Aurora.

Ano passado, a Coreia adquiriu do Estado 1,19 mil toneladas de carne suína e 33,5 mil toneladas de carne de frango. No Brasil, somente Santa Catarina é habilitada a vender carne suína para a Coreia do Sul porque o Estado é o único livre de aftosa sem vacinação, reconhecido pela Organização Internacional de Saúde Animal (OIE).

 

Fonte: www.nsctotal.com.br

 

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019

EM CAÇADOR, MAIS DE 80 BICOS DE COMBUSTÍVEL SÃO BLOQUEADOS POR IRREGULARIDADES

Fiscalização em posto de combustível em Caçador, SC. — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Uma fiscalização em nove postos de combustíveis e lojas de conveniência em Caçador, no Oeste catarinense, nesta semana resultou no bloqueio de 86 bicos de combustível. Os trabalhos começaram na terça-feira (19) e terminaram nesta quinta (21), sendo coordenados pelo setor de Fiscalização de Jogos, Diversões Públicas e Produtos Controlados da Polícia Civil.

Um dos postos teve a bomba interditada por vazão de combustível – quando a quantidade abastecida é menor do que a marcada. Cinco locais foram notificados por não apresentarem alvarás para funcionamento.

Houve ainda duas notificações a postos por licença ambiental vencida, quatro por não haver autorização da Polícia Civil para vender alcoólicas nas lojas de conveniência e quatro por estarem comercializando produtos vencidos.

No total, foram vistoriados 96 bicos de combustível, sendo cinco foram interditados por problema na vazão.

Os estabelecimentos notificados têm 48 horas para regularizar a situação nos casos mais graves, e 10 dias para os demais pontos vistoriados.

A ação teve com a participação da Agência Nacional de Petróleo (ANP) de Porto Alegre, do Instituto de Metrologia de Santa Catarina (Inmetro) e do Procon do município.

 

nformações G1