MP realiza operação contra supostas práticas ilícitas no Hospital Cirurgia
- Notícias - O melhor do bairro de Luzia, Aracaju, SE

terça-feira, 24 de julho de 2018
      

MP realiza operação contra supostas práticas ilícitas no Hospital Cirurgia

Foram cumpridos mandados de busca e apreensão nos municípios de Aracaju e Nossa Senhora das Dores.

Na manhã desta terça-feira (24) foi realizada uma operação pelo Ministério Público Estadual de Sergipe (MPE/SE) com o apoio do Departamento de Repressão contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap) e do Comando de Operações Especiais (COE) da Polícia Civil de Sergipe para apurar supostas práticas ilícitas contra o patrimônio da Fundação Beneficente Hospital de Cirurgia, em Aracaju (SE).

Foram cumpridos mandados de busca e apreensão nos municípios de Aracaju e Nossa Senhora das Dores, deferidos pela 2ª Vara Criminal de Aracaju. Além da sede do Hospital de Cirurgia, e mais 10 endereços empresariais e residenciais.

Em uma casa no Bairro Atalaia, Zona Sul da capital, os policiais apreenderam documentos, computadores e dinheiro. O advogado do proprietário acompanhou a busca, mas preferiu não conversar com a imprensa.

Os policiais também realizaram buscas nas casas do diretor-presidente da instituição, Milton Santana e do filho dele André Ricardo Santos de Santana, que trabalha no setor administrativo do hospital, onde foram encontradas armas e por isso eles foram presos em flagrante por porte ilegal. Documentos também teriam sido apreendidos nas duas residências. O MP ainda não informou se foram realizadas outras prisões.

Na tarde desta terça-feira, o juiz Sérgio Fortuna de Mendonça concedeu o alvará de soltura para o diretor-presidente do Hospital Cirurgia mediante pagamento de fiança de pouco mais de R$ 14 mil. E determinou que ele compareça à Justiça todas as vezes que for intimado, não mude de endereço ou se ausente por mais de oito dias de sua residência sem comunicar as autoridades onde pode ser encontrado. André Ricardo, que estava detido no Departamento de Crimes Contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap) foi liberado após pagar fiança de cerca de R$ 19 mil.

Fonte: G1